SÍNDROME DA BANDA OU DO TRATO ILIOTIBIAL: “JOELHO DO CORREDOR”

SÍNDROME DA BANDA OU DO TRATO ILIOTIBIAL: “JOELHO DO CORREDOR”
6 meses atrás

A síndrome da banda Iliotibial ou síndrome do atrito do trato Iliotibial, popularmente conhecida como tendinite do corredor, é uma das causa mais comum de dor na região lateral do joelho em corredores, correspondendo aproximadamente 12% das lesões por overuse nesses atletas. É uma síndrome muito comum entre corredores de média e longa-distância e outros atletas que praticam esportes que exigem movimento repetitivo de flexão e extensão de joelho, como ciclistas, jogadores de futebol, esquiadores e outros.

O trato Iliotibial é uma banda de tecido fibroso que inicia na parte superior do quadril e se estende até a parte inferior dos joelhos, e tem por função estabilizar a parte anterolateral (parte de fora) do joelho e quadril.

A dor e a inflamação na região lateral do joelho (lado de fora do joelho) são causadas pela fricção excessiva dessa banda sobre o epicôndilo lateral, predominantemente no contato do pé com o solo, na fase de desaceleração da marcha, o que a torna muito comum entre corredores.

Causas

As causas mais comuns do desenvolvimento destas lesões são:

Desequilíbrio Biomecânico durante a corrida.

Utilização de calçados inadequados por períodos prolongados.

Aumento excessivo e abrupto do volume de treino e corrida em declive acentuado.

Fraqueza ou inibição dos músculos glúteos laterais.

Alterações funcionais, má postura e outros.

 Principais Sintomas:

Dor na lateral do joelho (podendo haver fadiga súbita)

Hipersensibilidade na região lateral do fêmur

Dor ao flexionar e estender o joelho e inchaço no local

Dor no quadril, em alguns casos, no cruzamento das pernas ao se a sentar.

Em corredores, geralmente a dor se se inicia após alguns quilômetros de rodagem e tende a piorar, resultando inclusive na imediata interrupção do treino.

Caso apresente estes sintomas, deve consultar imediatamente um fisioterapeuta ou um ortopedista para fazer exames de diagnóstico, como, exames físicos, raios-X, ultrassonografia ou ressonância magnética, para confirmação ou não da síndrome e dar inicio ao tratamento adequado.

Prevenção

A prevenção é sempre o melhor método, os mais recomendados para essa Síndrome são:

Buscar diagnóstico e tratamento adequado

Alongamentos para melhorar a flexibilidade muscular;

Evitar aumentos súbitos no volume de treinamento

Exercícios de coordenação, correções de vícios e postura;

Treinamentos em superfícies de menor impacto;

 Fortalecimento muscular, uso de tênis adequados e outros

Tratamento

O tratamento pode ser conservador, ou nos casos mais graves cirúrgicos.

Tratamento inicial; gelo, fisioterapia e anti- inflamatórios.

Tratamento cirúrgico

Cirurgia irá remover a Bursa para a liberação do trato Iliotibial, reduzindo o atrito e a dor no joelho.

Referências:

15 FARIA C. D. C. M, LIMA F. F. P, SALMELA, L. F. T. Estudo da relação entre
o comprimento da banda iliotibial e o desalinhamento pélvico. Revista
Brasileira de Fisioterapia, v.10, p. 373-379, 2006.

https://url.gratis/jRfna

https://url.gratis/NUC8y

https://www.researchgate.net/profile/Mikael-Moraes/publication/284572080_PRINCIPAIS_LESOES_E_FATORES_DE_RISCO_EM_CORREDORES_RECREACIONAIS/links/5655261e08ae4988a7b09bec/PRINCIPAIS-LESOES-E-FATORES-DE-RISCO-EM-CORREDORES-RECREACIONAIS.pdf